Emirados Árabes Unidos: o futuro e a tradição em Dubai e Abu Dhabi

"Não é que jacaré come pirata?" afirmou a criança enquanto atravessava de mãos dadas com a mãe a Sheik Zayed Road, uma das principais e mais movimentadas avenidas de Dubai. A sábia simploriedade da pergunta do pequeno atestava a força da natureza sobre a humana: não importa onde ou como vivemos, certas coisas não mudam - uma delas é nossa vontade de combater os ciclos da vida e do universo. Insistimos em construir relações que se destroem com o descuido do tempo, buscamos descobrir a cura por que temos medo da doença, criamos a religião para justificar a morte, erguemos prédios maiores que montanhas. Mas esquecemos que tudo que está em construção já foi ou será ruína.

Curioso é como esse pedaço da Arábia comprova tal teoria. Dubai e Abu Dhabi estão em constante transformação social, é possível ver edifícios arquitetonicamente monumentais sendo construídos em diferentes cantos de ambas cidades, que seguem recebendo visitantes e novos moradores vindos de lugares distintos do planeta. É pulsante a busca pela estética nos Emirados Árabes Unidos, fundamentalmente em Dubai, onde há a megalomania em ter-se as maiores coisas do mundo. O maior prédio, o maior shopping, o maior aquário, a maior ilha artificial, o mais extenso mercado de ouro, o maior anel, o mais luxuoso hotel, o sistema de metrô mais moderno.

Talvez tal busca pela superioridade (ou superação) seja fundamentada na relatividade linguística: existe algo nos EAU que os outros países não conseguem acompanhar ou entender, algo que mistura o futuro e o passado, o liberalismo e o conservadorismo, a tradição e a modernidade - algo que não reside somente na complexa língua árabe ou no estilo de vida polarizado de seus conterrâneos. Como explica a teoria Sapir Whorf, existe uma relação entre a linguagem que falamos e como nós entendemos e conceitualizamos o mundo. Essa hipótese postula que as pessoas vivem segundo suas culturas em universos mentais muito distintos que estão determinados pelas diferentes línguas que falam, ou seja, a estrutura de uma língua pode levar à elucidação de uma concepção de um mundo que a acompanhe. Por isso quando seguimos para um continente diferente do nosso existe a sensação de estranhamento, porque nos deparamos com uma língua e uma cultura diferente da qual estamos acostumados.

Mas isso é só uma hipótese, afinal nem tudo precisa ser explicado, inclusive o que não tem explicação é o que desperta mais curiosidade e interesse em nós humanos. E onde há curiosidade e interesse, há beleza. Como borboletas que nascem para viver apenas 24 horas.

"Minha religião é acreditar na conspiração da consciência".

Mahatma Gandhi

SABIA QUE? Localizado no Oriente Médio, os Emirados Árabes têm se tornado um dos principais destinos turísticos do mundo. Dubai, seu emirado mais conhecido, já é uma das dez cidades mais visitadas do planeta e é considerada por muitos a cidade do futuro, com seus empreendimentos que provam que o impossível não existe e que qualquer limite pode ser superado - exemplo é o Burj Khalifa, o maior edifício do mundo. A capital Abu Dhabi também está se tornando uma grande potência, com cada vez mais atrações interessantes, como a mesquita Sheik Zayed, uma das maiores e mais belas do mundo. O Sheik Zayed aliás, falecido em 2004, foi presidente dos EAU desde sua formação atual e é considerado um dos maiores responsáveis pelo desenvolvimento do país - os sheiks são tão admirados e respeitados pelos árabes que suas fotos estão estampadas em diversos locais públicos, como restaurantes e hotéis. Com uma localização geográfica especial, próxima da Europa, Ásia e África, os Emirados tornaram-se um dos centros do comércio mundial. Antes sua economia era sustentada pela criação de pérolas e a atividade pesqueira, até a descoberta das reservas de petróleo na década de 60 que permitiu o bruto desenvolvimento econômico do país. A população média do país, que tem evidente miscigenação, é de 6 milhões de habitantes, e sua principal religião é o islamismo, crença que se reflete claramente no estilo de vida de seus praticantes - por exemplo na vestimenta, como burcas escuras nas mulheres e roupas brancas e turbantes nos homens. A moeda local é o dirham, que não se distancia muito da conversão equivalente ao real brasileiro. Por ser localizado no deserto, o clima é extremamente árido e subtropical, então vale a pena visitar o país em estações que não sejam o verão, caso não o faça, nada que muito protetor solar e roupas leves não resolvam - com certo bom senso para não expor demais a pele desnecessariamente em respeito às tradições locais. Apesar da língua nacional ser árabe, se você fala inglês, consegue se virar e conhecer facilmente os EAU.

VOCÊ PRECISA CONHECER:

Museu de Dubai - é super bacana pra se localizar na perspectiva histórica da cidade, custa 3 dirhams para entrar e conta com painéis multimídia, manequins e itens como armaduras e vestimentas antigas. Ele é localizado anexo ao forte Al Fahidi, o mais antigo edifício existente de Dubai, construído ainda em 1799.

Creek - é o rio que corta parte da cidade, é necessário atravessa-lo para ir para os souks de tempero e de ouro. Tem uma visão de parte da orla do município e dezenas de barcos atravessando ele constantemente, levando pessoas para ambos os lados. Para atravessar custa apenas 1 dirham.

Spice Souk e Gold Souk - são os mercados de tempero e de ouro. Visitar os de tempero é uma experiência sensorial única, já que muitos deles ficam expostos em grandes sacas fora das lojas - não esqueça de negociar os preços, é quase um costume cultural árabe pechinchar e você será ainda mais respeitado se fazê-lo. O mercado de ouro também é um dos maiores do mundo e tem o maior anel de ouro do mundo, que é gigante.

Souk de Bur Dubai - é o mais antigo mercado da cidade, com uma arquitetura árabe típica. Os comerciantes praticamente avançam em você oferecendo diferentes tipos de produtos como echarpes, turbantes, bolsas, tecidos e outros itens.

Grande Mosque - é a grande Mesquita da cidade, bonita por fora e por dentro. Confira os horários em que ela está aberta para o público, na primavera, por exemplo, só abre no período da tarde.

Burj Khalifa - é o maior prédio do mundo, com mais de 800 metros de altura. Subir nele é uma experiência única e proporciona uma visão especial da cidade, mas compre o ingresso online com antecedência por que é uma das atrações turísticas mais disputadas de Dubai. Indico comprar em um horário por volta das 17h, por que você pode curtir a paisagem durante o dia, pegar o pôr do sol e o anoitecer (a iluminação noturna dos prédios é impressionante).

Dubai Mall - é o maior shopping do mundo, com mais de 1200 lojas e 130 restaurantes. Um templo do capitalismo. Dentro dele você também encontra o aquário de Dubai, o maior aquário em área interna do mundo.

Fontes de Dubai - ficam anexas ao Dubai Mall e todos os dias a partir das 18h30 acontecem shows espetaculares de meia em meia hora com dança de luzes e diferentes músicas.

Mall dos Emirados - também é gigante, tem mais de 1000 lojas, e dentro dele é que está a maior pista de ski indoor do mundo.

Jumeirah Beach - é a praia pública de Dubai, ou pelo menos parte dela, a public beach. Tanto Dubai quanto Abu Dhabi contam com várias praias particulares. Essa tem uma água cristalina e dela é possível ver e tirar fotos do Burj Al Arab.

Burj Al Arab - é o hotel mais luxuoso do mundo, com sete estrelas e meia. É o cartão postal da cidade e para entrar dentro dele é necessário estar hospedado ou ter reserva em algum de seus restaurantes. Sua decoração interna conta com vários detalhes feitos em ouro.

Dubai Marina - é a marina de Dubai que está em profundo crescimento com construção de vários prédios, tem uma área de passeio, a Marina Walk, com dezenas de restaurantes e praia. A arte urbana também parece ser ascendente por lá, e já tem arte do brasileiro Eduardo Kobra.

Safári no Deserto - várias companhias de turismo aqui no Brasil e também lá vendem esse passeio pelas areias do deserto da Arábia com jipes. No passeio também está incluso voltas com camelos, um jantar beduíno típico e fotos com falcões, o pássaro símbolo dos EAU.

Subway - por mais que você alugue um carro ou encontre outros meios de locomoção, vale a pena andar de metrô nessas cidades, é especialmente organizado, limpo e prático, diferente de outros sistemas que conheci em outras cidades tão cosmopolitas quanto, como Paris e Nova York.

Palm Island com o hotel Atlantis The Palm - é a maior ilha artificial do mundo, em formato de palmeira. Para chegar ao hotel que fica na sua ponta é só pegar um monotrilho. É um passeio bacana e custa 25 dirhams a ida e a volta.

Miracle Garden - é o jardim da Disney em Dubai que conta com centenas de tipos de plantas e flores.

Ferrari World - é o parque de diversões da Ferrari que fica em Abu Dhabi (a cidade fica a apenas 150 km de Dubai). Conta com montanhas russas gigantes.

Corniche Road - a principal avenida de Abu Dhabi que tem vários parques e passeios públicos.

Mesquita Sheik Zayed - um dos lugares mais espetaculares que já visitei, também localizado em Abu Dhabi. É decorada com ouro e cristais e tem o maior tapete do mundo feito à mão. É toda feita em mármore branco e custou mais de 1,5 bilhão de reais para ser construída. Tem mais de 1000 colunas em seu pátio e conta com mosaicos incríveis.

TEM ALGUMA DÚVIDA OU PROCURA ALGUMA DICA ESPECÍFICA? ENVIA UMA MENSAGEM ATRAVÉS DAS REDES SOCIAIS.

POSTS RECENTES:
PROCURE POR TAGS: